domingo, 19 de agosto de 2007

Católico e caótico

O vaticano afirmou na última terça-feira, senhores, que as comunidades cristãs não romanas não eram igrejas completas cujos membros todos andavam com D-us. Bento XVI vem fazendo afirmações de mau gosto desde que recebeu o papado.

Neste mesmo discurso na universidade de Ratisbona citou um trecho de um diálogo entre o imperador bizantino Manuel Paleologus II e um educador persa, no século XIV. A frase é do imperador mas foi associada à Jihad pelo papa, que deu essa conotação introduzindo por cerca de 20 minutos falando sobre terrorismo e islã. Dizia o seguinte “Mostre-me o que Maomé trouxe que era novo, e lá você encontrará apenas coisas más e desumanas, como sua ordem para espalhar pela espada a fé que Ele pregava”

Vale uma observação feita por mim e desconsiderada em todos os meios pelos quais tive ciência do acontecido. Esse diálogo consta no Talmud babilônico, da literatura judaica e não-cristã. Se vocês se interessarem em ler, verão que se trata de um documento que nega jesus cristo e não fala absolutamente nada de Jihad ou Islão. Será uma doença endêmica do poder ludibriar os fiéis(povo) utilizando a ignorância deles próprios?

A crise deflagrada pelo papa no Islão e nas igrejas protestantes evidencia duas verdades, a primeira delas é que o cardeal Ratzinger pode ter vocação pra tudo, menos pra diplomata. A segunda é que o estado de hostilidade permanente existe mais evidentemente claro entre o cristianismo e o islamismo mesmo sem explosões e canhonaços.

E é daí que vem o ódio islâmico, não vem pelo espaço aéreo do Líbano ou de gaza. E ele não termina com passeatas no ocidente. Não precisamos de paz, precisamos de justiça, direitos iguais, uma nova abordagem mundial das diferenças e um amplo respeito a tradições. Quando essas questões forem realmente assimiladas sem arrogância religiosa as distancias ilusórias entre ocidente e oriente serão desfeitas.

O papa Shenouda III, líder da igreja ortodoxa copta do Egito, afirmou neste sábado que o orgulho católico vem trazendo inimigos.

"O homem (papa Bento XVI) faz inimigos toda vez. Em suas primeiras declarações há alguns meses, ele perdeu (o apoio de) todos os muçulmanos. E agora desta vez, ele perdeu muitas das congregações cristãs porque ele começou a falhar com os próprios cristãos", disse ao jornal Al-Ahram.

"Nós não somos contra os católicos terem orgulho de sua igreja, mas isso não significa que toda igreja que não se una a eles não seja uma igreja", criticou.

Louco Bento XVI não é, os tempos de ecumenismo se foram e o papa se comporta como o líder de um rebanho de 1 bilhão de pessoas que se encontra ameaçado especialmente na Europa. Com a tentativa de entrada da Turquia na UE(Na Turquia 98% da população é xiita e 1% é sunita). Seu tato foi como o de um papa que lutou contra muçulmanos pela espada, na idade média. Sutil como um soco no estomago. ^^

Que o diga carderal Fitzgerald, acessor do papa e principal articulador de uma aproximação entre o mundo cristão e islâmico. Teve os braços amarrados com uma canetada do santo padre, recebeu o posto de emissário no Egito e agora no Cairo tem papel decorativo.

É por isso que desde a virada deste século existe um apelo muito grande e um incentivo pras pessoas encontrarem sua liberdade e plenitude por si próprias.

Como dizia Bob

“Emancipate yourselves from mental slavery. None but ourselves can free our minds.”
“Emancipem a si mesmos da escravidão mental. Ninguém além de nós mesmos pode libertar nossas mentes.”